Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Tópicos - AlexB

Páginas: [1]
1
Ferramentas / Serrote de costas para malhetes caseiro ("dovetail saw")
« em: Domingo, 06 de Novembro, 2016, 22:50:16 pm »
Boa a todos,
como já tinha dito no meu tópico das mesas de cabeceira, pretendo transformar este serrote num serrote de malhetes.



Os principais tópicos que pretendo modificar são:
-encurtar a lâmina. A actual tem 30cm e parece-me demais para o uso pretendido. Vou passar para 24cm.
-Mudar o TPI (dentes por polegada) de 13 para 16. A ideia original era para ser 20 mas depois de ler e de perceber a dificuldade que é criar e afiar serrotes de 20 TPI resolvi passar para 16.
-Meter dentes com o kerf bem menor (ângulo com que os dentes abrem em relação à espessura da lâmina e define a espessura do corte). Tive a ler e aprendi que o kerf reduzido é um dos apectos mais importantes destes serrotes e é essencial na finura do corte.
-Mudar o tipo de afiação de "crosscut" para "ripcut", mas adequado a malhetes de rabo de andorinha.
-Mudar a pega de "gentleman saw" para as pegas tradicionais.

Infelizmente hoje esqueci-me completamente das fotografias ao longo do processo para isso ficam as únicas que tenho até agora.

Lâmina já encortada e com os dentes já praticamente desbastados. Criei uma espécie de jig para fazer de torno para afiar serrotes. Funciona lindamente. Amanhã meto mais fotografias.


Molde temporário da pega num pedaço de contraplacado apenas para verificar tamanho. Em boa hora o fiz porque tive de aumentar a dimensão para a minha mão.


E fotografia do estado actual. A lâmina ainda não está presa e a pega está longe de estar acabada. É em carvalho dumas aduelas que iam para o lixo duma casa que ardeu. Foi esculpida à medida da minha mão e ergonomicamente está perfeita. Assenta que nem uma luva. O que está a dar mais trabalho é abrir a ranhura na pega para encaixar as costas da lâmina.
Em relação a estas costas abdiquei da solução em latão. Era demasiado complicado e requeria algumas ferramentas que não tenho por isso optei por simplificar a coisa e usar as costas do serrote actual que até funcionam bem.


Para os dentes usei um método do Paul Sellers mas meia dúzia deles ficaram maiores que outros. No entanto experimentei uns cortes só a segurar a lâmina com a mão e sem a pega e é imediata a diferença para o serrote antigo. Tem um corte muitíssimo mais limpo e mais fino. Aliás, a ranhura na pega nova para a lâmina foi serrada com a mesma lâmina segurada à mão, apenas com um pano para não magoar e cortou lindamente.


2
Madeiras / [Projecto] Mesas de cabeceira.
« em: Terça, 01 de Novembro, 2016, 01:54:02 am »
Boas a todos,
Desta vez vou aventurar-me numa técnica que aprecio muito e nunca experimentei que são os malhetes de rabo de andorinha, e para isso vou aplicá-los num novo projecto. As mesas de cabeceira.
Imagem 3D com duas possiveis dimensões, 45 e 50 cm. Possivelmente por uma questão de espaço irá ser a mais pequena. (esqueci-me de apagar o fraldário do projecto 3D).


O design para além da funcionalidade e estética do meu agrado, visa introduzir mais uns elementos de complexidade para assim eu ir evoluindo gradualmente.
As mesas serão principalmente em pinho, não só para condizer com a cama que é em madeira clara, mas porque tenho aqui uma placa que sobrou do fraldário e é uma madeira barata e que conheço menos mal. Além do pinho usarei outra vez o sapelly. A variação em relação ao mais comum é que as arestas dos malhetes serão posteriormente arredondadas com uma tupia. Vi um remate destes no pinterest numa secretária e gostei bastante do efeito.
As mesas terão de ser suspensas para que os gavetões da cama possam abrir por baixo. Terão uma única gaveta e um pequeno espaço aberto para revistas ou livros.
O acabamento será igualmente o verniz acetinado aquoso para manter ao máximo a côr e tons do pinho.
A minha única preocupação são as peças de sapelly finas que irão forrar o interior. Eu queria-as finas com 5mm no máximo mas ainda não sei bem como vou conseguir sem uma desengrossadeira. Estou a pensar em cortar fatias na serra de bancada e finaliza-las manualmente à mão com a plaina mas não vai ser pêra-doce. Aceitam-se sugestões.

E aqui um esquema das peças do corpo desmontado. Falta a gaveta.


A forma de as prender à parede já está pensado mas ainda não fiz o 3D. Depois meto.
Vou tentar ser mais célere neste projecto que o fraldário, mas nestas coisas já se sabe. Demora sempre muuiito mais que o planeado. :P
Opiniões e sugestões são sempre bem vindas.

3
Ferramentas / Grampos caseiros em madeira
« em: Quarta, 19 de Outubro, 2016, 13:08:34 pm »
A pedido, aqui ficam umas imagens e explicação dos meus grampos.



O design foi tirado da net onde existem imensas variações destes grampos.
As ferramentas usadas foram um serrote de madeira e outro de metal, chaves de porcas, um formão pequeno e uma furadora vertical (também pode ser um simples berbequim). Ainda usei plainas mas não é essencial.
Os materiais foram dois barrotes de madeira. A secção é mais ou menos 4x4 cm mas pode ser diferente. Foram ainda usados um varão roscado de diâmetro 6 se não me engano, uma anilha por grampo, um perfil de aluminio tipa chapa, porcas, cola epoxy e para as pegas usei um cabo velho de vassoura mas pode ser um pedaço de madeira minimamente arredondado. O custo do material anda à volta dos 10 euros mas dá para uns 4 grampos e se gastarem mais uns 3 euros noutro varão fazem logo 8 grampos. Muitas destas coisas, nós os amantes de bricolage temos lá por casa. No meu caso só comprei a cola.

Primeiro coloquei os dois barrotes lado a lado e segurei-os com grampos. Depois foi só fazer os furos no meio deles de forma a ter meias canas em cada um deles.


Para o topo que suporta o varão colei dois pedaços destes barrotes e fiz um encaixe como mostram as imagens para dar resistência. Está apenas colado.
Fiz um furo com o diâmetro do varão roscado e nos topos do pedaço de madeira fiz um buraco com a forma das porcas. Estas foram lá encaixadas e coladas com epoxy.




A pega como já foi dito foi feita com um cabo de vassoura apenas arredondado no topo.



O batente do grampo foi feito com pedaços de madeira colados. Escolhi um pedaço mais denso, com mais resina para a ponta de forma a ter mais resistência à deformação quando apertado. Na ponta meti uma porca colada ao varão com epoxy e limada na ponta para ter uma superfície de contaco maior quando apertada. Também fiz um orifício onde coloquei um parafuso e uma anilha para receber a força da porca e desta forma não magoar a madeira. Atenção que este orifício tem de ter um diâmetro que permita à porca rodar. As riscas e pintas azuis são coladas.



O outro batente foi mais simples.  Um simples bloco de madeira com um furo a atravessar de um lado ao outro e o resto vê-se bem na fotografia. Na parte de baixo o eixo é o varão mas meti-o dentro de um tubo de alumínio que tinha para aqui para não marcar a madeira.


Para além de baratos estes grampos são simples de fazer e pode-se fazer com o comprimento que quiser-mos.
Alguma dúvida, já sabem.

Boas bricolages
Alexandre Baptista



4
Ferramentas / Lixadora excêntrica Ryobi (69,99 euros)
« em: Terça, 18 de Outubro, 2016, 21:26:27 pm »
Boas a todos,
Nunca tinha tido nenhuma lixadora eléctrica mas visto que todos os "youtubers" dizem, que não há bons projectos sem bons acabamentos e visto que todos aconselham uma lixadora eléctrica, lá teve de ser.
Há vários tipos, mas para o que pretendo, que é mesmo acabamentos, estas excêntricas parece que são a escolha da maioria.
Depois de procurar por opiniões na net, esta Ryobi parece ser das melhores nesta gama de preços. Tem as três funcionalidades que pelo que li me pareceram essenciais:
-Regulador de velocidade,
-Botão que prende no "on" para não estar lá sempre a carregar.
-Sistema de recolha da serradura que para além de funcionar, permita mais tarde ligar a um aspirador.

Ainda procurei por outras mais baratas mas não tinhas uma ou mais destas funcionalidades.
Na net há muitos bons relatos desta, inclusivé de profissionais que a têm a uso diário há alguns anos sem problemas e ainda outros Americanos que até trocaram as DeWalt por estas por gostarem mais desta. Eu não percebo nada e nunca tinha comprado Ryobi mas como tinha boas referências desta marca arrisquei.
Tem no entanto dois defeitos. Um que eu ainda não notei (só a tenho à 2 dias) é que é muito comum os parafusos que suportam o prato irem-se desapertando com os anos. Na net dizem que desde que se tenha o cuidado de ir verificando e garantindo que eles estão sempre fixos, esse problema deixa de ser relevante. O outro problema é o recipiente de recolha da serradura que é muito dificil de fechar. Não é nada dramático mas faz lembrar aquele Tuppeware que todos temos que é um filho-da-mãe para se fechar a tampa. Fora isso impecável e recolhe mesmo muito bem o pó.
Como ponto positivo ainda tem um cabo bastante generoso com uns 3 metros ou mais.
Não trás acessório nenhum, mas trás um conjunto de 20 lixas com granulometrias entre os 60 e os 240. E do pouco que a usei, as lixas parecem-me muito boas.
No geral estou muito contente e já dá para perceber que as peças acabadas com isto têm logo outra pinta.  ;D





5
Madeiras / [Projecto] Fraldário
« em: Sábado, 24 de Setembro, 2016, 16:39:51 pm »
Boas a todos,

Aqui fica a apresentação do meu novo projecto. Um fraldário para a minha filhota que deve nascer no início de novembro. :)
O topo do fraldário foi-nos oferecido mas vinha sem a cómoda de base porque ainda é útil para quem nos ofereceu. Tinha duas hipóteses: ou comprava uma base barata tipo IKEA ou fazia eu uma em madeira. Nem preciso dizer a minha escolha.

imagem do topo que nos foi oferecido.


Logo como premissas tinha as medidas do topo e por outro lado algo que fosse simples e rápido de fazer para as minhas capacidade, visto que tenho pouco mais de um mês e isto se ela não for apressada. Além disso tem de ser minimamente interessante, pelo menos para o meu gosto.
 
O projecto acabou por dar nisto (imagem 3D).


Pormenor do encaixe das pernas(imagem 3D)



As madeiras escolhidas foram aquela espécie de mogno que já não me lembro do nome e pinho simples, embora tenha escolhido peças sem nós. Fotografia delas prontas a serem trabalhadas.


O módulo de arrumação será feito com contraplacado e as gavetas na realidade são umas caixas rígidas mas em pano que o IKEA tem na secção de crianças.
Para já é o que tenho. À medida que isto for avançado, meto mais imagens.

Abraço a todos e boas bricolages!

6
Ferramentas / Serra circular de mesa (mini reportagem)
« em: Quarta, 21 de Setembro, 2016, 02:15:43 am »
Boas a todos!

Motivado pela excelente recepção que me deram, fica mais uma apresentação do meu curto portfólio.

Desta vez a minha serra circular de mesa. Aviso que vem testamento. :-\


A serra estava perdida no armazém da empresa do seu sogro e foi talvez o "clic" final que me fez iniciar nisto dos trabalhos em madeiras. Pensava eu quando a vi que tudo ia ser fácil e rápido e um simples banco de jardim era coisa para demorar uma tarde. 3 meses depois de ter a serra ainda nem o tinha começado, mas isso são outras contas.
A serra é mesmo do piorio que se pode arranjar. É daquelas que custam cerca de 40/50 euros e não a aconselho a ninguém.



Para além de muito pequena e sem guarda ou guia, não permitia o ajuste em altura o que também limita a funcionalidade.
O primeiro problema foi o disco da serra. Aquilo abanava mesmo muito. Tirei-o para fora e reparei que não estava empenado, mas os batentes que o seguram tinham uma descalibração tal que o disco abanava vários milímetros a cada volta. Visto que vivemos num pais onde os trabalhos manuais estão em extinção e são mal apreciados, e não encontrei um torneiro para me arranjar os batentes, resolvi arranja-los eu com uma simples lixa de papel. Depois de dezenas de tentativas a lixar, instalar e verificar o disco e retomar tudo de novo lá consegui um resultado muito satisfatório. Possivelmente com instrumentos rigorosos ainda terá algum empeno mas a olho nu está impecável e mais importante, faz um corte fluido.
O outro problema era o disco propriamente dito. Para além de ter apenas 184mm, tinha um desenho de dentes que já não se usa e pouco eficiente. Na lateral da serra diz que permite discos até 210mm mas para não estar a meter um no limite o que poderia trazer problemas de rigidez, meti um de 200mm o que já me deu mais 15mm de corte e com uns dentes mil vezes mais eficientes que o original. Tanto em velocidade como limpidez do corte.

Resolvidos este problemas, tratava-se de proceder à construção duma mesa que não só me trouxesse a serra para uma altura confortável de trabalhar, mas acima de tudo que lhe acrescentasse funcionalidade para dentro das suas limitações se transformar numa ferramenta minimamente útil.
O tampo ficou com 78 por 115 centímetros. Não é nehuma bancada profissional mas já me dá uma área muito considerável para os meus trabalhos e neste aspecto cumpre a 100%. Acoplado ao tampo criei uma guarda de guia para cortes longitudinais. Esta deu um trabalhão a meter à esquadria com a serra mas no final ficou bem. Fiz-lhe um sistema simples de aperto com ferragens básicas e depois de apertada fica completamente inamovível. Ainda pensei em meter uns contrafortes para assegurar a verticalidade da guarda mas a verdade é que só como está na fotografia, esta verticalidade manté-se firme; pelo menos até à data.
Esta guia foi feita com aglomerado duma secretária velha que ia para o lixo. Está direita e é polida o que ajuda no deslizamento da madeira.
Pormenor da guia desta guarda:


Para além da guia principal fiz duas calhas paralelas à lâmina para acoplar outros engenhos auxiliares. Em Inglês eles chamam-lhes "Jigs". Alguém sabe se há uma palavra em português para designar estes engenhos?
Estas calhas foram feitas com uma tupia e depois aparafusei uns perfís de alumínio. Aqui, o resultado não cumpre a 100%. Estes perfís de alumínio têm pouca espessura e consequentemente pouca rigidez e na realidade a dimensão da abertura varia uns décimos ou centésimos de milímetro mas o suficiente para as calhas não deslizarem facilmente. Já vi à venda em sites internacionais de ferramentas calhas apropriadas para estas mesas, mas para a serra em causa parece-me que não justifica. Fora este aspecto, consigo usa-las com alguma eficiencia e comparando com mesas de 200 ou 300 euros que vejo à venda, estas calhas não perdem em nada.

Apresentação dos meus "Jigs", sendo que aqui há um mundo de ideias de engenhos para tudo e mais alguma coisa e com o tempo, mais irão ser acrescentados.

Simples com uma só calha para cortes transversais. Por só ter uma calha, ele abana um bocadinho e com isso perde-se rigor. Uso-o bastante por ser o mais rápido de usar e por vezes há peças ou fases dos trabalhos onde o rigor ainda não é imperativo.


Este é identico, mas com duas calhas. É mais perro que o anterior e logo mais lento, mas o corte fica a 90 graus rigorosos.


Tabuleiro. Muito útil em algumas aplicações e tenho planos para mais uns jigs para usar em conjugação com o mesmo.


Este é evidente. Para cortes a 45 graus.


Este serve-me para segurar tábuas que não tenham uma única face 100% plana e com ele conseguir rapidamente essa face. Também dá para cortar longitudinalmente pequenos ângulos próximos dos 90 graus. Mais ou menos de 80º para cima.


Para já são os que tenho. A grande vantagem destas mesas é que dá para fazer imensos engenhos que respondam a necessidades específicas e tenho a certeza que com o tempo irei fazer mais.
A mesa é em pinho com 2 demãos de óleo de teca e depois mais duas de verniz. O tampo é em MDF com a moldura em contraplacado. Também com verniz excepto o topo do tampo. No futuro pretendo fazer um armário para meter por baixo e possivelmente um sistema para ligar um aspirador. Também meti umas rodas em duas pernas viradas para o lado para poder deslocar a mesa levantando as outras pernas opostas mas que esta fica apenas acente nas pernas quando poisada.
Os "jigs" foram quase todos feitos com restos de madeiras e embora possam ter um ar tosco, garanto que as faces que interessam e os alinhamentos estão rigorosos.

No total gastei entre o disco da serra e as madeiras uns 80 euros. A serra como já expliquei foi de borla. No final estou contente com o resultado. A mesa, posso dizê-lo com confiança, é melhor, maior e mais funcional que qualquer mesa de serras até os 300 euros. Mas a serra é mesmo muito fraca e se for para comprar não aconselho esta gama. Como vem de origem é praticamente inútil e um par de serrotes cortam mais rápido e muito melhor que esta serra. Para mim, a maior limitação para além da dimensão reduzida do disco é o facto de não poder ajustar a sua altura. Mesmo com o disco de 200 mm tenho uma altura de corte real que não chega aos 4 centímetros. Invertendo as peças e cortando dos dois lados consigo cortar peças de 8 centímetros, mas com 150 euros já se compra uma serra deste tipo com 250 milímetros de diâmetro e com ajuste em altura para além da inclinação que a minha também faz.

Neste momento o meu dilema é se continuo e investir tempo nesta mesa ou compro outra serra melhor e faço outra mesa. Para já, sei a resposta. O dinheiro não estica e esta tem desenrascado. :P

Espero que gostem. Peço desculpa pelo testamento e aguardo as vossas críticas.

Abraço a todos e boas bricolages!


 

7
Madeiras / Banco de jardim
« em: Segunda, 19 de Setembro, 2016, 15:52:36 pm »
Aqui fica o meu primeiro e até à data, único projecto de mobiliário em madeira.
É um banco para a mesa do meu jardim para duas, ou apertadinhas, três pessoas.
A madeira usada foi toda reciclada.
As pernas e a bordadura são em madeira de mogno (julgo que não me enganei) duns barrotes que tinha abandonados num barracão cobertos de cimento e tinta velha. Cortei-os em medidas que pudesse usar na minha serra de bancada e aplainei-os manualmente. O interior e topo do banco foi feito com madeiras de paletes velhas.
O design foi inspirado num video do youtube mas com alterações, principalmente nas pernas. Pretendi conjugar uma imagem mais limpa com a idade da madeira das paletes.
Este projecto serviu para me iniciar no uso da plaina manual e nos ancaixes de madeiras. Estes encaixes no youtube parecem bem mais fáceis que na realidade. Os encaixes da primeira pernas ficaram um tanto toscos, mas na segunda já melhoraram.
O acabamento foi com óleo de tungue.
Espero que gostem e critiquem à vontade que estou aqui para aprender.

Abraço a todos.
Alexandre Baptista

8
Apresentações / Olá a todos!
« em: Segunda, 19 de Setembro, 2016, 15:36:08 pm »
O meu nome é Alexandre Baptista.
À uns anos, e para poupar uns trocos, resolvi construir um cockpit de simracing em Madeira. Quando o acabei, descobri que deu-me tanto ou mais prazer a construção como o uso do dito.
Recentemente mudei-me do meu apartamento para uma moradia com um belo telheiro para bricolage e o bichinho da madeira voltou à carga.
Tenho andado aos poucos a comprar algumas ferramentas como plainas, formões, etc. Algumas novas e outras em segunda mão que me têm dado trabalho mas também prazer a recuperar.  Também construí uma bancada para uma serra circular.
O tema principal dos meus futuros projectos será o mobiliário em madeira. Por um misto de poupança de custos mas também por satisfação pessoal, tenho adoptado nesta fase inicial do hobbie pelo uso de métodos mais tradicionais em detrimento das ferramentas eléctricas, com a excepção da serra circular.

Abraço e boas bricolages!

Páginas: [1]