Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - AlexB

Páginas: [1] 2 3 ... 8
1
Madeiras / Re: cavalinho de balanço
« em: Sábado, 11 de Maio, 2019, 23:00:22 pm »
Está muito bonito. Já ando a magicar um desses para o próximo projecto.

2
Madeiras / Re: cavalinho de balanço
« em: Sábado, 11 de Maio, 2019, 04:10:05 am »
Ora aqui está um projecto que me interessa muito. A minha filha mais velha iria adorar uma coisa destas.
Está a ficar impecável.

3
Ficou muito bem. Gostei.

4
Bricolage Café / Re: Advinhem quem está de volta...
« em: Quinta, 02 de Maio, 2019, 22:20:34 pm »
Bem vindo Stromlinie. Também estive ausente e ainda não estou a 100% mas já vou dando gosto ao dedo.

5
Apresentações / Re: Mais um bricoleiro
« em: Quarta, 24 de Abril, 2019, 16:53:05 pm »
Bem vindo Renato.

6
Apresentações / Re: Apresentação
« em: Terça, 23 de Abril, 2019, 12:45:25 pm »
Bem vindo!
O forum anda um bocado parado mas é sempre bom ter mais gente a contribuir.

Abraço.

7
Ferramentas / Re: Plaina corte ché (rasoira, spokeshave) "Faithfull"
« em: Domingo, 07 de Abril, 2019, 13:51:31 pm »
Exactamente GLFaria, esperava problemas mas nunca pensei que as falhas fossem tão graves como se revelaram.

Só tomei conhecimento dessa loja esta semana e foi precisamente num tópico antigo seu aqui no forum. Da próxima irei visitá-la. Tenho visto videos destas plainas mas da Stanley e apesar de tudo parecem-me bem melhores que estas Faithfull.

8
Ferramentas / Plaina corte ché (rasoira, spokeshave) "Faithfull"
« em: Sexta, 05 de Abril, 2019, 00:08:22 am »
Boas a todos,

(fotografia retirada do site)


À muito tempo que desejava adquirir uma plaina corteché e devido a um projecto que estou a iniciar, chegou o momento.
A loja "restaurar e conservar" tem umas da marca "Faithfull" a  22 euros e resolvi arriscar. Comprei uma de base curva.
As ferramentas desta marca são basicamente as mesmas dos chineses que se compra baratíssimo nos ebays e afins a apenas leva a marca por cima.
Quando a comprei estava confiante de duas coisas: Que era de baixa qualidade com peças mal fabricadas e que com tempo e dedicação conseguiria transformá-la e afiná-la até ficar razoavelmente funcional.
No geral confirmei que era de facto de fraca qualidade e infelizmente de entre todos os problemas tinha dois que não conseguiria corrigir, mas mesmo assim decidi meter mãos à obra.
Atenção que sem afinação e sem afiar a lâmina nem vale a pena experimentar. Simplesmente não funciona, nem bem nem mal.

A lâmina:
A lâmina tinha vários problemas para além de precisar de ser afiada que não considero um problema. O bisel tinha uma barriga trementa o que fazia com que nunca se tivesse um gume direito. Com lixa grossa e muito tempo esta foi a primeira correcção.
A face da lâmina que fica voltada para baixo estava razoavelmente plana mas a face de cima tinha uma concavidade brutal. Isto faz com que não haja um bom contacto com a peça de cima ("cap" em Inglês) para além da impossibilidade de afiar o gume. O mesmo tratamento à lixa. Muito tempo, primeiramente com lixa grossa para desbastar e depois ir diminuindo o grão até ao polimento final na zona do gume. O meio da lâmina nunca ficou polido mas também não precisa.
Por fim, as ranhuras onde prendem os parafusos de afinação apresentavam rebarbas enormes o que dificultava muito o trabalhar destes parafusos. Foram retiradas com uma lima fininha.
Para afiar usei a técnica do "micro-bevel" afiado até lixa 5000 e polido com pele carregada de pasta de polimento em ambos os lados.

imagem da lâmina acabada.


O "cap":
Este tinha dois problemas graves. A face inferior que faz o contacto com a lâmina tinha um acabamento lastimoso, parecia areia e era tudo menos plano. Lixa e tempo até criar uma superfície plana, especialmente na zona frontal. Na parte de trás não me preocupei tanto porque fica no ar, suportada pelo parafuso.
Na frente o outro problema. Em vês do perfil em cunha comum e desejável nestas peças para quebrar e desviar as apararas, tinha uma espécie de parede com uns 3 milímetros que não só retinha as aparas todas como dificultava muito o deslizar das mesmas sobre a plaina. Foi refeito este perfil com lima e acabado com lixa para um perfil em cunha. Infelizmente não tenho fotografia do antes.



Parafusos de afinação:
Nas plainas normais, costumo polir estes parafusos para retirar as pequenas imperfeições que por vezes prendem nas lâminas. No caso desta plaina, para além destas imperfeições, um dos parafusos tinha o buraco da rosca completamente descentrado com o corpo do parafuso em mais de 1 milímetro. Visto que a lâmina, quando colocada na plaina acenta nestes parafusos, isto faz com que a lâmina oscile bastante cada vez que se roda o parafuso para além de impossibilitar um correcto acentamento da mesma. Desbastei um dos lados do parafuso, mas foi só para remediar. Terei de pedir a um torneiro que me faça um novo.

Corpo da plaina:
-O buraco onde está o parafuso que prende o "cap" está demasiado atrás. Isto faz não só com que que frente do "cap" fique muito afastada do gume da lâmina, perdendo eficiência mas faz também com que o parafuso do "cap" faça força na lâmina já fora do corpo da plaina. Perfurei outro buraco e rosquei-o e o problema ficou resolvido.
Imagem com o "cap" colocado na posição inicial incorrecta e depois na nova.


-A parte supostamente plana onde acenta a lâmina era tudo menos plana. Para além de estar pintada com uma tinta grossíssima que cria irregularidades, a parte metálica também não era plana. Primeiramente com lima e depois com lixa, aplainar esta "cama" foi a parte mais morosa do processo até ter um contacto perfeito.





-outro aspecto muito mau é a superfície de contacto com a madeira. Nestas plainas modelo curvo, esta superfície deve ser curva no sentido do movimento, mas vista de frente deve ser recta, como se fosse um pedaço de um tubo. No caso desta plaina, para além de um acabamento muito mau e rugoso fazia uma cova para dentro tremenda. Toca de raspar numa lima até ter a forma correcta e acabar com lixa fininha.
Na fotografia dá para ver que atrás da lâmina ainda ficou uma pequena cova mas como era atrás da lâmina não há problema.


-A boca da plaina é grande demais mas aqui não há remédio possível. Não é tão grave como seria numa plaina normal, por isso ficou mesmo assim.

Conclusão:
Tal como previa a plaina é de fraca qualidade, mas não esperava problemas tão graves e estranhos como parafusos com roscas descentradas. Acredito que se deva ao inexistente controlo de qualidade das peças e é uma questão de sorte.
Infelizmente este problema do parafuso dificulta bastante o ajuste da lâmina, mas uma vês ajustada, a plaina funciona até muito bem. Eu uso o truque do Paul Sellers que é meter a lâmina mais saida de um lado do que outro e consoante queira aparas mais finas ou mais grossas uso um ou o outro lado.
No geral foi possível tornar esta plaina numa ferramenta funcional, mas dado o tempo e paciência exigidos, não será para todos.

Plaina acabada e toda montada:








9
Madeiras / Re: Mini projecto 1 - Tabuleiro
« em: Domingo, 10 de Março, 2019, 03:34:06 am »
Obrigado Bata.

10
Madeiras / Mini projecto 1 - Tabuleiro
« em: Quinta, 07 de Março, 2019, 17:37:26 pm »
Se há um projecto icónico para quem está a começar nisto das madeiras que toda a gente deve fazer é o belo do tabuleiro, portanto aqui vai o meu. ;D
Visto que fui pai recentemente e logo de duas piratas, o tempo para trabalhar nas madeiras nos últimos dois anos tem sido praticamente nulo, daí ultimamente só ter feito coisinhas pequenas.
Este tabuleiro serviu para estrear tanto o meu serrote artesanal nos malhetes rabo de andorinha e comprovar se de facto servia para alguma coisa, como eu próprio que nunca tinha feito malhetes destes.
A madeira é toda reciclada. As laterais e o fundo foram retirados de paletes e os topos em sapelli foram de uns barrotes velhos que tinha aqui num barracão.
Os malhetes são "half blind dovetail", usados tipicamente nas gavetas. Em Português não faço ideia como se diz, mas se alguém souber agradecia.
O design não é da minha autoria. Foi retirado da net mas gostei porque alia um design moderno com métodos artesanais.
Espero que gostem.


11
Ferramentas / Re: Serrotes de costas Disston&Sons nº4 8" e 12".
« em: Segunda, 04 de Março, 2019, 23:40:39 pm »
Muito obrigado pelas dicas GLFaria.
A questão da cêra está resolvida. Achei um pouco estranho mas nunca se sabe.
Eu já uso a famosa solução da lata do Paul Sellers com óleo 3 em 1. Quando estou numa fase em que trabalho com alguma regularidade a coisa até funciona, o problema é que com o nascimento das minhas filhas fico vários meses sem pegar nas ferramentas e aí os piquinhos de ferrugem não perdoam.
Em relação à vaselina sabe me dizer se se compra naquelas grandes lojas de bricolage tipo "Leroy"? Vou ver se encontro.

Em relação ao youtuber Paul Sellers concordo a 100% consigo e a solução dele com a trava dos dentes e um martelo é um exemplo perfeito. Nas mãos dele, aquilo ficou perfeito à primeira mas quando fui eu, é como já descrevi. Funciona mas ficou muito inconsistente e a morder a madeira. A solução que resultou lindamente foi a do Tom Lie Nielsen e que também é usada pelo Rob Cosman. Corrigir os desvios da trava experimentado e depois usar uma pedra de afiar no lado para onde o corte puxa.

Ele usa-a neste video para afinar um "crosscut" mas resulta igualmente num "ripcut". (minuto 8:50)
https://www.youtube.com/watch?v=tLzbTOPn5d8

Este é do Rob.(minuto 5:40)
https://www.youtube.com/watch?v=avnVz19d8GQ

Aquilo parecia magia. A cada corte a melhora era logo evidente até que ficou a cortar direitinho e suave.

12
Ferramentas / Re: Serrotes de costas Disston&Sons nº4 8" e 12".
« em: Segunda, 04 de Março, 2019, 16:02:58 pm »
Pajo, não terá sido bem o euromilhões mas olhe que a alegria não deve ter andado longe, por todos os motivos.

GLFaria, obrigado pela partilha do site. Só tomei conhecimento do mesmo à umas semanas atrás, quando recebi os serrotes, mas acho que já o devorei duma ponta a outra.
Em relação a afiar serrotes a minha esposa já nem pode ouvir falar em videos sobre o tema. Apesar de já os ter visto à uns tempos atrás, revi imensos na ultima semana. Este fim de semana acabei a restauração do serrote pequeno e também já o afiei.

Aliás, esta foi a fase mais morosa do processo.

-Alinhei os dentes com uma lima. Tive apenas uma dúvida. No arranque do serrote há 2 ou 3 dentes muito pequenos que praticamente não existem. Isto é possivel remediar limando os topos muito mais até estes ficarem com a altura dos outros. O problema é que iria retirar uns bons 2 ou 3 milímetros à lâmina que já de si não é muito larga. Resolvi abdicar destes dentes, alinhando o suficiente para todos os outros ficarem alinhados e experimentar. Se não resultasse iria desbastar o resto até apanhar os dentes todos.

-Afiei os dentes com uma lima triangular pequena( na realidade é de 6 lados). Já tinha experimentado num outro serrote criar um pequeno apetrecho em madeira para meter na ponta da lima ao estilo do da varitas para ajudar nos ângulos, mas depois de várias experimentações, consegui melhores resultados segurando apenas com as mãos. Ao contrário do meu outro serrote onde usei dois TPIs diferentes, um de cerca de 20 no arranque e o resto a 15, para este usei apenas 15TPIs por achar quase impossivel afiar a 20 TPIs. O que fiz, foi nos dentes de arranque meter um ângulo mais suave na face de ataque dos dentes e depois ir subindo até aos 90º. Ficou óptimo e arranca muito bem sem custo.

Acertei a trava ou kerf. Aqui é que a porca torceu o rabo e deu-me um trabalhão até encontar um método que me satisfizesse. Como não tenho alicate para o efeito usei o método do Paul Sellers de punção e martelo. Usei um prego de betão grande que tem o aço muito duro e limei um pouco a ponta para criar uma face plana um pouco mais pequena que os dentes. Depois acentei a lâmina numa tábua de pinho plana e fui martelando. No fim, tal como o Paul Sellers aconselha, com um martelo, retirei um pouco a trava. O serrote ficou a funcionar mas a trava ficou inconsistente e mordia um pouco a madeira. Passei uma tarde inteira a afinar a trava dente a dente com uma lupa e aos poucos ficou muito melhor. No fim, fiz o truque que o Tom Lie Nielsen usa num video sobre afiar serrotes que é experimentar e consoante o lado para onde o corte tende a "tombar", passar uma pedra de afiar desse lado dos dentes para afinar a trava e ficar simetrica.
Fiquei muito contente com o resultado final mas demorou mesmo muito tempo.

Fica um video com o primeiro testdrive já depois de afinado e a fotografia a comprovar o resultado. Queria seguir a linha, mas mandendo-a do lado esquerdo do corte, como faço nos malhetes. Ficou perfeito. E dá para perceber que depois de alinhar o corte foi só serrar e o corte não se desviou um milímetro ;D

https://www.youtube.com/watch?v=4qMW9T2MH3A




E por fim uma imagem do serrote acabado e um pormenor do medalhão onde se pode confirmar a idade.





Tenho no entanto uma dúvida. Vi num video, um tipo no final da restauração a passar todo o serrote, metal incluido com cêra para madeira. Ele diz, que ao contrário dos óleos protectores a cêra não evapora e também protege a ferrugem, nomeadamente nos medalhões, que não estão em contacto com nada. Alguém me sabe dizer se isto faz sentido? Obrigado.

13
Ferramentas / Serrotes de costas Disston&Sons nº4 8" e 12".
« em: Segunda, 18 de Fevereiro, 2019, 02:38:31 am »
Por vezes a vida prega-nos partidas muito boas.
Um dos meus maiores desgostos na minha curta carreira de marcenaria amadora é o facto do meu avô, muito provavelmente a fonte da minha paixão pelas ferramentas e trabalhos manuais, não ter vivido o suficiente para ver os meus trabalhos em madeira.
Ele não tenha nenhuma profissão ligada à marcenaria mas como todos os homens do seu tempo, tinha e gostava das suas ferramentas e fazia honra de se desenrrascar muito bem em qualquer trabalho que fosse necessário em casa. Desde a simples lâmpada até colocar um vidro na janela que tinha sido partido com uma bolada, fazer um portão para a casa dos meus pais ou até esculpir uns garfos enormes em madeira para a minha avó fazer filhoses.
No fim-de-semana passado, fui a casa dos meus avós fazer a partilha do conteúdo com os meus primos e como eles sabem que eu gosto de ferramentas já lá tinha um caixote cheio das ferramentas do meu avô. Eu pensava que eram essencialmente chaves de fendas, de porcas, alicates, etc. Sabia que havia por lá umas limas e umas grosas e também sabia que havia um serrote enorme que ele usava para cortar lenha para a lareira. Qual foi a minha surpresa quando vejo dois serrotes de costas, que apesar de estarem todos ferrugentos, dava para perceber que eram serrotes de marcenaria e com pinta de serem dos bons, daqueles com medalhões e tudo ;D.

Quando cheguei a casa fui logo ver a marca dos mesmos.
Disston & Sons.
Após uma curta busca na net descobri que esta foi a primeira empresa a fabricar serrotes de alta qualidade nos EUA, fruto de ter sido a primeira a produzir o seu próprio aço. Como existem muitos serrotes desta marca, eles são relativamente comuns nos ebay e afins. No entanto são bastante apreciados e alguns mais antigos chegam mesmo a passar dos 500 dolares e são considerados serrotes com muita qualidade.

Os meus serrotes são serrotes de costas modelo Disston nº4, um de 8" polegadas (dovetail saw) e outro de 12" polegadas (Tenon saw). E pelo medalhão, dá para identifica-los como sendo da altura da primeira grande guerra.
Infelizmente esqueci-me de tirar fotografias a ambos antes de iniciar a sua recuperação mas fica aqui uma onde o "tenon" está quase como vinha. O outro vinha obviamente no mesmo estado.


O propósito da minha intervenção não é dar um aspecto de novo aos serrotes, mas apenas devolvê-los a um estado em que possam ser usados som comprometer a qualidade e acima deixar intacta a sua história.

Hoje consegui mais um tempinho à tarde e praticamente acabei o mais pequeno e já avancei bastante o maior.
-Em relação às pegas, não queria uma abordagem muito intrusiva. Limpei apenas a patine superficial com um esfregão palha-de-aço fina e WD-40. Adorei o resultado.
-Os medalhões e parafusos foram limpos com uma escova de latão na furadora vertical e acabados com lixa fina.
-Em relação à lâmina atalhei em relação ao que costumo fazer. Normalmente, nas ferramentas metálicas a primeira coisa que faço é limpá-las com um líquido próprio para tirar ferrugem e só depois passar às lixas  e polimentos. Como não tinha cá em casa esse líquido e nem podia sair de casa por causa das minhas filhas, "arranquei" a ferrugem toda com lixa. Claro que isto ainda não está acabado porque a lixa não chega aos poros, portanto assim que tiver o líquido ainda irei lá meter as lâminas. Também não separei a lâmina das costas porque estava tão presa e tão direitinha, que não arrisquei estragar. Apenas dei uma aguada de óleo WD-40 para dentro das costas e siga.
-Em relação aos dentes, foram afiados de novo logo no dia dessa primeira foto e ele ficou a cortar muito bem. Mas com a intervenção de hoje, a trava ("kerf" em Inglês) foi praticamente à vida. Assim que tiver tempo irei tratar disso. Mas no dia da primeira intervenção já deu para perceber que serrava muito bem. Nos primeiros dentes afiei-os com um ângulo menos agressivo e depois fui aumentando à medida que me aproximava da pega. Ficou com um arranque muito fácil mas rápido e limpo.
Tudo isto é para o serrote mais pequeno. O maior ainda não foi afiado e a lâmina e parafusos ainda vão levar uns toques.

Só como nota adicional e comparando-o com o serrote que tinha feito neste tópico http://forum.bricolagetotal.com/ferramentas/serrote-de-costas-para-malhetes-caseiro-('dovetail-saw')/ há alguns aspecto que saltam logo à vista.
-São bem mais pesados, à custa principalmente das costas destes que é dez vezes mais robusta e rígida.
-A lâmina tem a mesma espessura mas é muito muito mais rígida. Aqui vê-se claramente que o aço nestes serrotes é outra loiça.
-A pega é mais estreita, mas maior. Já estava habituado à grossura da outra mas esta não compromete e a habituação foi rápida. O tamanho maior faz com que esta escaixe melhor na minha mão. O ângulo também é ligeiramente mais horizontal mas nesse aspecto não notei diferença nenhuma a serrar.
No geral, embora o outro já me permitisse fazer uns malhetes sem comprometer, este pela sua superior rigidez parece mais uma extensão do nosso braço. Gosto muito mais.

Agora as fotos do aspecto actual.








Foi das melhores surpresas que me lembro de ter tido. Sempre quis ter uns serrotes de malhetes com qualidade mas são tão caros e com o pouco tempo que actualmente tenho, é daquelas coisas que estava sempre a ser adiada. Finalmente tenho dois serrotes que me agradam bastante a com grande felicidade  de me terem sido dados pelo meu avô :).

14
Ferramentas / Re: Serra Parkside com carro
« em: Sexta, 28 de Setembro, 2018, 23:05:58 pm »
Nunca tinha pensado nisto, mas parece-me uma excelente ideia.

15
Madeiras / Re: [Projecto] Fraldário
« em: Sexta, 28 de Setembro, 2018, 23:03:58 pm »
Diz-se que a imitação é a forma mais sincera de elogio e até hoje nunca tinha realmente sentido isso.
Fico genuinamente honrado e feliz por ter gostado do meu projecto ao ponto de fazer um também.
Claro que sou suspeito, mas para mim esse fraldário ficou impecável. O seu ainda tem a vantagem do topo fazer conjunto, já que no meu caso, por ter sido aproveitado, destoa um pouco.
Parabéns!

Cá para os meus lados, isto das madeiras tem andado muito parado. É que para além da Catarina, a primeira cliente desse fraldário, já nasceu entretanto a nova inquilina, a Alice e como deve calcular o tempo é quase nenhum.
Ainda assim tenho feito uns pequenos projectos nos minutos livres. A ver se esta semana abro uns tópicos.
Abraço!

Páginas: [1] 2 3 ... 8