Autor Tópico: Uma geringonça...  (Lida 2689 vezes)

GLFaria

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 835
    • Ver Perfil
Uma geringonça...
« em: Segunda, 09 de Maio, 2016, 01:56:27 am »
Uma vez por outra tinha-me dado jeito poder tornear umas pecinhas de madeira. O meu mini-torno para metais não é muito prático para isso, e dá um trabalhão a limpar, por isso improvisava sempre, geralmente com recurso a limas, lixa, e berbequim ou engenho de furar.

Desta vez resolvi experimentar fazer qualquer coisa um pouco menos - só um pouco menos - improvisada. Estou familiarizado com o torneamento de metais, mas eu diria que, à parte haver um objecto a andar à roda, poucas semelhanças tem com o torneamento de madeira. Por isso, estudei um bocado as ferramentas e as técnicas - não gosto de improvisar demais, e com coisas que andam à roda relativamente rápidas mesmo em frente à nossa cara todo o cuidado é pouco - e abalancei-me a fazer uma maquineta rústica que com alguma benevolência talvez possa ser chamada uma espécie de torno.

Como não sabia o que ia resultar dali, nem sequer sabia se ia gostar de tornear, resolvi não gastar muito tempo e dinheiro. Utilizei apenas materiais que cá tinha em casa. Só tive que comprar quatro parafusos M6 que não tinha no comprimento que precisava. A estrutura é de casquinha branca, com a utilização de madeira mais dura onde me pareceu conveniente. Para acionamento, o meu berbequim. Previ um diâmetro máximo de 30mm para a peça a maquinar; a distância máxima entre pontos (aproximadamente 15cm) foi simplesmente definida pelo comprimento do "tarolo" que tinha para fazer a base...

Pelos mesmos motivos (tempo, custo, e disposição para trabalhar), prescindi de alguns requintes técnicos: o apoio das ferramentas tem só duas posições, e não é ajustável em altura nem transversalmente. O contraponto não é rotativo, e a ponta tem um ângulo muito aberto (lubrifiquei a ponta com cera). Do lado do "cabeçote fixo" - expressão pretensiosa, mas dá um ar mais sério à geringonça - apertei a peça a tornear na bucha do berbequim. E, para o que é uma simples experiência, nada de comprar ferramentas apropriadas - ou dava com os meus formões, ou mandava a ideia passear.

E não é que a geringonça até provou que, mesmo com estas condicionantes todas, tomando muito cuidado até podia fazer umas peças mais ou menos torneadas? O que significa que quando e se (é um grande se...) tiver disposição posso desenvolver um bocado mais o conceito e aperfeiçoar a maquineta de modo a ficar mais parecida com um torno.

Aqui vão algumas fotos; se alguém estiver interessado em algum pormenor específico, é só perguntar.

pajo

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1383
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #1 em: Segunda, 09 de Maio, 2016, 08:36:40 am »
Tinha de haver uma boa razão para o GLFaria andar em silencio ;D

Boa "Geringonça", talvez um pouco limitada no comprimento entre pontos, mas para um prototipo está muito bom. ;)
Se não sabes? -não mexas!
Se não gostas? -não estragues!
Mas isso, NÃO TINHA PIADA NENHUMA!!!

bata001

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 651
  • Sempre mexendo nem que seja a sopa quando há
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #2 em: Segunda, 09 de Maio, 2016, 09:58:49 am »
Mr Faria

afinal não é gerigonça nenhuma

Não será um torno na verdadeira acepção da palavra mas dá-me a crer que desempenha na perfeição a função para a qual foi criada.

5 *****
Henrique

Stromlinie

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 468
    • Ver Perfil
    • Multisubjects, Lda.
Re: Uma geringonça...
« Responder #3 em: Terça, 10 de Maio, 2016, 00:25:55 am »
Well Done, GL Faria!!

O silêncio é de ouro, e produz geringonças bem úteis. Se o exemplo mostrado foi feito com formões, é porque máquina funciona e muito bem.

Boa bricolage, em segrança,

Stromlinie

GLFaria

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 835
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #4 em: Terça, 10 de Maio, 2016, 01:33:11 am »
Muito obrigado, gentes, mas é mesmo uma geringonça.

Dá um bocado de trabalho a alinhar, suponho que porque a gola do berbequim e o suporte não são tão cilíndricos como deviam, e o plástico do corpo do berbequim tem alguma flexibilidade. Como o contra ponto quase não tem folga na calha (paciente trabalho de plaina manual  ;) ), e o suporte de alumínio não tem folga mesmo nenhuma relativamente à base (é montado à justa e aparafusado), o alinhamento tem de ser feito rodando e movimentando o berbequim no suporte.

Para alinhar, uso a ponta central de uma broca (nova) de três pontas de 8mm montada na bucha. Alinho a ponta com o contraponto. Aperto um bocadinho o suporte, desalinha; volto a alinhar, aperto mais um bocadinho, volta a desalinhar um pouco, etc., até estar completamente apertado e razoavelmente alinhado. É um bocado chato.

A aproximação do ferro à peça tem de ser feito com muito cuidado, porque isto é quase um brinquedo, e a profundidade de corte (é assim que lhe chamamos na metalomecânica, não sei como é na madeira) tem de ser mínima, quase só um aconchego.

Aquela "peça" experimental foi feita com formões, sim. Bem afiados, como qualquer formão que se preza. Não sei o que é a madeira da vara de 12mm que usei, quase diria bambu, macia, veio longitudinal, e racha com toda a facilidade, por isso no final dei-lhe uma ligeira passagem com lixa.

Encontrei um problema que não tenho com o torneamento mecânico. Como práticamente não vejo do olho esquerdo, não tenho visão tridimensional, vejo como se tudo estivesse no mesmo plano. Na vida do dia a dia já me habituei a defender-me (tenho o problema há 45 anos), mas em situações novas tenho que me adaptar. Daí que tenha que fazer a aproximação da ferramenta à peça com muito cuidado e muito devagar até sentir o ferro a tocar muito levemente na madeira. Na primeira vez não me lembrei e arranquei uma valente lasca. Os óculos de segurança dão um jeitão.

Para já, foi apenas uma experiência, por curiosidade e para aprender alguma coisa. Agora, vou utilizar a estrutura, sem o cabeçote móvel e sem o suporte dos ferros, e tratar planear e fazer um módulo de lixadora de disco que se possa montar na mesma calha. Dá-me mais jeito que um torno, e fico com 2 em 1.

Junto uma foto de uma espécie de graminho caseiro apresentado pelo Paul Sellers. Acho a ideia interessante, porque é muito simples e bem achado. Com limitações, claro, mas pode servir num aperto ou quando não se tem graminho. O link para o vídeo no You Tube é 



pajo

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 1383
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #5 em: Terça, 10 de Maio, 2016, 21:59:32 pm »
Apresentada que está a geringonca.
Fico a pensar qual sera a obra que o GLFaria estará  a planear???
Se não sabes? -não mexas!
Se não gostas? -não estragues!
Mas isso, NÃO TINHA PIADA NENHUMA!!!

bata001

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 651
  • Sempre mexendo nem que seja a sopa quando há
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #6 em: Quarta, 11 de Maio, 2016, 09:00:59 am »
graminho bastante simples

É caso para dizer: " Porque não pensei nisto antes "

 8)  8)  8)
Henrique

cerdeira

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 259
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #7 em: Quarta, 11 de Maio, 2016, 13:02:00 pm »
Já se tinha falado nesse tipo de graminho improvisado aqui no forum:
http://forum.bricolagetotal.com/ferramentas/o-graminho/msg1808/#msg1808

Eu até prefiro parafusos philips pq usando os de fendas, tinha sempre o azar de que a ranhura da cabeça ficava orientada para o lado que queria marcar o que interferia ligeiramente na qualidade do vinco.

GLFaria

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 835
    • Ver Perfil
Re: Uma geringonça...
« Responder #8 em: Quinta, 12 de Maio, 2016, 16:44:31 pm »
Já se tinha falado nesse tipo de graminho improvisado aqui no forum:
http://forum.bricolagetotal.com/ferramentas/o-graminho/msg1808/#msg1808


Tem razão, obrigado, já não me lembrava.